WhatsApp: promoção de 'Natal O Boticário' é golpe - voxnoar
Whatsapp (75) 8370-6060 / Fone (75) 3424-2048

WhatsApp: promoção de 'Natal O Boticário' é golpe

Ação criminosa sofisticada é capaz de conferir se CPF informado combina com nome indicado por vítimas






Um novo golpe no WhatsApp usa a marca O Boticário e tem o objetivo de roubar dados pessoais dos usuários. Identificada pelo dfndr lab, da desenvolvedora de apps de segurança PSafe, a ação criminosa usa engenharia social e simula uma promoção de Natal da empresa, em que os participantes ganhariam produtos de suas linhas de maquiagem. Os interessados deveriam compartilhar uma mensagem com os amigos que precisavam se cadastrar na plataforma.


Neste caso, os criminosos agiam de forma mais sofisticada, uma vez que o sistema era capaz de verificar se o CPF informado pertencia ao nome digitado e, assim, oferecia uma falsa sensação de credibilidade. Segundo a PSafe, foram encontrados seis links diferentes para o mesmo golpe e, juntos, somaram 40 mil detecções nas últimas 24 horas. Ainda de acordo com a empresa, ações mal-intencionadas do gênero foram responsáveis por 43,8 milhões de detecções no terceiro trimestre de 2018.






"Esse é um golpe diferenciado e o cibercriminoso de fato teve muito trabalho. A checagem de CPF e o cadastro das lojas o torna muito similar a uma promoção real da marca e, dessa forma, é extremamente difícil para um usuário sem conhecimento técnico identificá-lo como falso", explica Emilio Simoni, diretor do dfndr lab. De acordo com a empresa de segurança, para realizar essa checagem é necessário que o hacker tenha acesso a um banco de dados com as informações, que pode ter sido vazado na Internet ou reunido por um golpe anterior.

A fim de tornar a ação ainda mais realista, os bandidos ainda cadastraram 3.634 lojas verdadeiras da marca para que os interessados pudessem supostamente retirar os produtos ganhos. Além disso, o conteúdo compartilhado com os amigos é personalizado e inclui o nome da pessoa que envia. O usuário ainda consegue checar se os links foram acessados ou não pelos contatos, incentivando-os a clicar e participar da suposta promoção e, dessa forma, fornecer seus dados para os cibercriminosos.

Por Taysa Coelho, para o TechTudo








Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial